Central de Atendimento
Tel.: (44) 3226-3456
Centrais sindicais preparam agenda comum para a disputa eleitoral

Centrais sindicais começaram a discutir propostas para uma agenda comum, a ser apresentada aos candidatos à presidência da República, a exemplo do que ocorreu em 2010, quando trabalhadores ligados a cinco entidades se reuniram no estádio do Pacaembu, em São Paulo, para aprovar um documento.

 

Uma primeira conversa foi realizada na sexta-feira (2), na sede do Dieese, também na capital paulista, e há nova reunião marcada para esta sexta-feira (9), no mesmo local. Os sindicalistas também aguardam a instalação de comissão especial no Congresso, amanhã, para analisar emendas à Lei 13.467 de "reforma" trabalhista.

 

Segundo o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, a ideia é "identificar qual caminho as centrais tomarão diante das mudanças que estão ocorrendo no mundo do trabalho e diante do ano eleitoral, que deve carregar uma agenda grande para 2019". Em seguida, "construir um conjunto de propostas para orientar o debate público".

 

Nesta semana, o Parlamento deve instalar 12 comissões mistas para analisar medidas provisórias. A primeira da lista é a MP 808, que altera itens da "reforma" da legislação trabalhista. O texto recebeu 967 emendas. Clemente avalia que ainda não houve uma "resposta à altura" ao impacto que as mudanças causaram na vida sindical. Mas ele considera difícil alterar a lei, pelo menos neste momento: "A oposição não tem força para reverter o jogo".

 

Sobre a economia brasileira, Clemente diz que é previsível um nível de atividade maior neste ano, com alguma melhoria no consumo interno e redução do endividamento das famílias, em parte pelo saque das contas inativas do FGTS. Mas observa que esse princípio de melhoria ocorre depois que a economia "chegou ao fundo do poço".

 

"Vamos voltar a crescer, a partir de um patamar muito baixo", afirma o diretor do Dieese. "As formas precárias (de contratação) podem expandir o número de postos de trabalho." Mas uma melhoria mais forte do emprego pode ter outro efeito: estimuladas, as pessoas voltariam ao mercado de trabalho, pressionando a taxa de desemprego. "Podemos ter uma situação de as empresas criarem postos de trabalho, mas o desemprego crescer", diz Clemente.

 

Outra questão que ele considera importante e não devidamente debatida é a da reestruturação das empresas em termos de inovação e tecnologia. "Podemos ter uma economia crescendo sem a mesma intensidade em geração de postos de trabalho."

 

Fonte: Vermelho