Central de Atendimento
Tel.: (44) 3226-3456
Câmara aprova projeto que afasta grávida de trabalho presencial no estado de calamidade

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (26) projeto que determina o afastamento de funcionárias grávidas do trabalho presencial durante o estado de calamidade provocado pela pandemia do novo coronavírus, que vai até 31 de dezembro.

 

O projeto foi aprovado em votação simbólica e segue para o Senado.

 

O texto diz que a gestante que permanecer afastada do trabalho presencial não poderá ter o salário afetado por causa disso.

 

A proposta, que tem como uma das autoras a deputada Perpétua Almeida (AC), líder do PCdoB, indica que a grávida deverá exercer as atividades de casa, remotamente.

 

Reportagem da Folha publicada em julho mostrou que mais de 200 mulheres morreram nos últimos meses na gestação ou no pós-parto após diagnóstico de Covid-19, conforme números do Sivep-Gripe (Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe).

 

O dado representa mais de 70% das mortes de mães registradas no mundo devido à doença. Os Estados Unidos, que ainda lideram os óbitos gerais pela infecção, tinham registrado 35 mortes de gestantes e puérperas até o último dia 21 de julho.

 

A deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), relatora do texto, afirma que, mesmo com a adoção de medidas de proteção como uso de máscara e higienização de mãos, há risco de contaminação a grávidas no ambiente de trabalho e também no transporte.

 

“Entendemos que, com urgência, deve-se diminuir o risco de que elas sejam infectadas pelo novo coronavírus”, afirma.

 

“Para isso é fundamental determinar o afastamento das gestantes de suas atividades de trabalho presencial, ao menos durante o estado de calamidade pública”, complementou.


Fonte: Folha de S.Paulo